Grávida de gêmeos entra na Justiça para garantir parto em hospital com UTI neonatal

quinta-feira, 14 de maio de 2015


Redação Rio Alerta notícias, com Record Rio

Uma mulher grávida de gêmeos teve que entrar na justiça para garantir que o nascimento dos filhos aconteça com segurança. 


Segundo a Dyenne Kesse Gonçalo, ela já sofreu quatro abortos espontâneos. Desta vez ela já passou do sexto mês de gravidez, mas ainda corre risco, pois tem trombofilia, que é um problema na coagulação do sangue.

De acordo com Dyenne, por ser uma gravidez de alto risco, ela e o marido conseguiram na Justiça uma ordem para internação dela em um hospital com UTI neonatal, mas nem a liminar garantiu ainda o atendimento necessário.
Segundo o casal, a liminar foi expedida em 28 de abril, voltada pra o HUPE (Hospital Universitário Pedro Ernesto), mas até agora não foi cumprida.
— A justiça estipulou uma liminar de 48 horas desde o dia 28 de abril para o hospital, mas nem com a liminar eles me retornaram.
Apesar de estar em um período adiantado, Dyenne ainda não conseguiu fazer o pré natal corretamente. 
Ela também contou que vem sendo atendida no centro médico de Itaguaí, mas o lugar não oferece toda a estrutura necessária e uma série de exames ainda não foi realizada.
— Eu preciso fazer muitos exames e aqui não tem recurso.
Segundo o obstetra Antônio Fernandes, o pré-natal previne doenças e prepara a mulher para o parto. 
Não realiza-lo tanto em uma gravidez de risco como em uma gravidez normal, pode ser prejudicial. Para o médico, o atendimento de mulheres grávidas na rede pública de saúde é prejudicado pela burocracia e falta de estrutura.
— Eu acho que é um descaso muito grande desse serviço com a população
O casal que espera gêmeos teme que o momento tão esperado chegue sem que a grávida consiga ser atendida como precisa.
— Às vezes ela chora comigo a noite, reclama que está sentido dores e tal. Uma coisa que era pra ser felicidade está sendo um problema.
A direção do Hospital Universitário Pedro Ernesto disse que foi informado do caso pela justiça e que assim que for notificado se prontificara imediatamente para resolver o problema da gestante.
 
TV RIO ALERTA © 2012-2018 |:Rio Alerta Comunicação Rj